• Aninha

Do vale das formigas e dos mandacarus de Pernambuco para o cartão-postal de Florianópolis.

Atualizado: Nov 19



Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/ponte-hercilio-luz-uma-historia-de-idas-e-vindas/



Ficamos um longo tempo fora de casa.

Mamãe precisou viajar a trabalho e decidiu nos levar com ela. Lá estávamos eu e papai, embarcados em mais uma das aventuras inesquecíveis de minha mãe. Passei por lugares tão diferentes, por cenários que jamais imaginei. Tudo o que registrei virou memória, desenho e poema que, agora, eu partilho com você:

Vi o sertão com sua seca,

chapadas a perder de vista,

brinquei na terra de chão batido,

e também comi poeira.


Vi gente que mora longe de tudo,

em casas feitas de barro,

onde telha é luxo.

Atravessei rio, nadei em cachoeira,

descansei debaixo da jaqueira.


Vi homens e mulheres moldando o barro

e entalhando a madeira,

fazendo arte com galho,

com muito respeito à natureza.

Mamãe e eu criamos estas rimas. Na verdade, ela usou estas palavras bonitas para descrever a nossa expedição pelo sertão de Pernambuco. Ela escreveu o poema enquanto curtíamos o pôr-do-sol do Vale do Catimbau, um dia antes do nosso retorno para casa.


A viajem de volta foi longa, e eu acabei dormindo a maior parte do tempo. Lembro que adormeci agarrada à minha formiga de madeira, enquanto sonhava com os lugares e com as pessoas que conheci.


Fonte: https://br.pinterest.com/pin/238057530288440890/


É como se o meu coração estivesse me dizendo, de algum jeito, que não era hora de partir. Já sentia saudades de Pernambuco, este pedacinho do Brasil que ganhou o meu coração. Sonhei que corria de pé no chão pela terra seca do sertão, indo em direção à Tia Simone e ao Tio Benício, que catavam galhos de umburana e de jaqueira para esculpir mais um de seus mandacarus. Eu até tirei uma foto de uma das obras de arte deles, para lembrar sempre!


Fonte: http://g1.globo.com/natureza/videos/t/globo-natureza/v/globo-natureza-umburana/3547928/


Fonte: acervo pessoal.



Também sonhei que fazíamos uma trilha pelo Vale do Catimbau e que as formigas de madeira da Tia Simone corriam atrás de mim de brincadeira. Depois, alcançávamos a beira do penhasco para ver o pôr do sol do Vale.


Fonte: https://www.tripadvisor.com.br/LocationPhotoDirectLink-g2344899-d3320137-i199727270-Parque_Nacional_do_Catimbau-Buique_State_of_Pernambuco.html

Foi quando acordei com uma luz forte que esquentava o meu rosto dentro do carro e, ao abrir os olhos, voltei para o presente e descobri onde estava. A luz vinha do reflexo do sol que atingia a Ponte Hercílio Luz: nós estávamos chegando em casa!


Fonte: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/ao-vivo/ponte-hercilio-luz-florianopolis.ghtml

Num salto levantei para observá-la... como eu a amava!

É incrível como algo assim pode nos fazer sentir em casa, é como se a minha cidade não pudesse existir sem ela. A ponte sempre me encantou, seu tamanho, suas luzes... mas, agora, era diferente: ela me convidava para ir além. Eu começava a me fazer perguntas a seu respeito: como foi construída? Quantos anos ela tem? E porque ela tem este nome?


Foi nesta hora que eu tive uma ideia:


- “Papai! Vamos parar um pouquinho!?” - pedi animada, torcendo para ele aceitar.


Ele aceitou! Então paramos o carro na Avenida Beira Mar para vê-la mais de perto. Ficamos ali até o entardecer e aproveitei o momento para contar para os meus pais o montão de perguntas que passavam pela minha cabeça:


- “Porque a Ponte Hercílio Luz tem este nome? Quem decidiu chamar ela assim?


Sorrindo, mamãe respondeu:


“-Esta é uma boa pergunta Aninha! Quem sonhou com ela foi um engenheiro chamado Hercílio Pedro da Luz, que no ano de 1920 era o presidente de Santa Catarina e ordenou que a ponte fosse construída. Isto aconteceu há exatamente 100 anos!!




O Senhor Hercílio Luz era um homem muito determinado e que ajudou Florianópolis a se desenvolver. Ele foi tão importante para a cidade que já foi homenageado de diversas formas: seu nome está em ruas e avenidas, e até no aeroporto da cidade. Além disso, uma estátua sua foi construída na cabeceira da ponte, num lugar conhecido como Parque da Luz.”



Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/desrespeito-a-memoria-de-hercilio-luz/






- “Nossa mãe! Que ponte velha! E este tal de Hercílio Luz ficou mesmo famoso por aqui! Eu quero muito ver esta estatua, por favor!! Vamos? ” - perguntei insistindo.





Meus pais decidiram me levar até o Parque da Luz, um mirante onde fica a estátua que eu queria conhecer.


De lá, conseguimos ver a ponte mais um pouquinho. E, agora, eu estava curiosa para saber como e porque é que ela foi construída sobre o mar.



Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/desrespeito-a-memoria-de-hercilio-luz/









Então, papai me contou direitinho:


- “Filha, naquele tempo haviam muitos motivos para isso, e um deles foi a necessidade das pessoas que moravam na ilha conseguirem ir até o continente utilizando outros tipos de transportes além dos barcos. E, assim, a obra foi iniciada.


Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/desrespeito-a-memoria-de-hercilio-luz/


Uma curiosidade é que o seu primeiro nome foi Ponte da Independência, passando a se chamar Hercílio Luz em homenagem ao engenheiro que, infelizmente, adoeceu e morreu antes dela ser inaugurada. Mas, Aninha, respondendo a sua outra pergunta: você se lembra que durante a nossa viagem a gente atravessou algumas pontes e que cada uma delas era de um jeito? Então, a Ponte Hercílio Luz é um tipo de ponte pênsil com olhal.”


Pênsil? Olha... o que? Eu não estava entendendo nada, foi quando papai me explicou:


- "Isto significa que ela é todinha feita de ferro e aço, e que o que a sustenta de pé são as colunas ou pilares que foram colocados debaixo d’água. Olhal é uma abertura, um vão ou espaço vazio de um arco que atravessa de lado a lado uma ponte. A ponte Hercílio Luz é considerada a maior ponte suspensa do nosso país, medindo 821 metros. E foi necessário que muitos homens trabalhassem para construí-la, sendo que as obras iniciaram no ano de 1922 e terminaram em 1926, ou seja, demorou 4 anos para ficar pronta.”


Enquanto ouvia o papai, tentava imaginar as pessoas trabalhando no mar. Puxa, que trabalho perigoso! Foi quando mamãe chamou a minha atenção dizendo o seguinte:


-“E você sabe, meu amor, que naquele tempo haviam poucos carros nas ruas e que as pessoas usavam carroças para se locomover ou, então, caminhavam. E olha que para atravessar a ponte era preciso pagar um pedágio, mesmo estando a pé, e isto foi feito para que a população ajudasse a pagar a construção da ponte.


Fonte: http://antigosverdeamarelo.blogspot.com/2013/10/ponte-hercilio-luz-desfile.html


É parecido com o que aconteceu em nossa viagem, quando o papai teve que fazer paradas para pagar os pedágios, lembra?”

Eu lembrei muito bem. Foram tantos pedágios que até perdi a conta! Achava muito chato ter que ficar em filas esperando para fazer aquilo. Então fiquei pensando porque é que a ponte ficou parada tanto tempo, antes de poder ser usada novamente. Perguntei para papai e ele respondeu:


-“Aninha, a ponte foi fechada completamente em 1992 por não estar em condições seguras para uso. O tempo, a maresia e o peso que ela carrega pelo trânsito intenso de veículos foram fazendo com que ela se desgastasse, sendo necessário interditá-la para que ela se mantivesse de pé. E foi neste mesmo ano que a ponte foi considerada Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico do Município de Florianópolis e 5 anos depois, como Patrimônio Brasileiro! ”


Minha mãe emendou a fala de meu pai, dizendo:


- “A ponte é o cartão-postal da nossa cidade, filha. E o que a mamãe mais gostava de ver eram as suas luzes acesas no entardecer.


Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_Herc%C3%ADlio_Luz#/media/Ficheiro:Ponte_Herc%C3%ADlio_Luz_FREITASFOTOS_002.jpg


Mas, pelo desgaste que ela sofreu, foi necessário que ela passasse por algumas reformas e, com isto, as luzes foram removidas. Mas o lado bom é que, agora, nós podemos atravessá-la novamente, pois ela foi reformada e reaberta!”.


É verdade! E o mais legal é que a gente participou deste momento histórico. Nós estávamos lá no dia em que a ponte foi reaberta, e foi inesquecível! Isto aconteceu poucos dias antes do ano de 2019 acabar e, de lá para cá, a gente vê carro, ônibus, pedestres e ciclistas aproveitando a travessia da ponte.


Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/ponte-hercilio-luz-uma-historia-de-idas-e-vindas/



Fonte: https://ndmais.com.br/noticias/ponte-hercilio-luz-uma-historia-de-idas-e-vindas/



É incrível pensar que esta ponte já passou por tantas aventuras. Também, 94 anos de idade não é pouca coisa né?


Depois deste passeio pela história da Ponte Hercílio Luz, eu passei a vê-la como o sonho de alguém que se transformou em realidade com a ajuda de muita gente. E falando em sonho, vou te dizer que a viajem que fizemos me deixou lembranças que jamais esquecerei.

Foram coisas tão incríveis que aprendi com as pessoas maravilhosas que conheci mas, a melhor delas, eu vou te contar agora: do sertão pernambucano ao litoral catarinense, finalmente eu entendi que os homens constroem diferentes tipos de pontes, e que elas não são feitas só de ferro não, minha gente! Pontes também são feitas de dois materiais invisíveis, mágicos e especiais chamados "sonho" e "afeto"!

Calma, eu vou te explicar! É mais ou menos assim: eu posso diminuir a distância que me separa do Tio Benicio e da Tia Simone construindo uma ponte na minha cabeça. É só fechar os meus olhos e sonhar acordada, lembrando dos momentos gostosos que tivemos juntos. Cada lembrança - dos abraços, das conversas, das risadas, do carinho - é um pedacinho da ponte que eu vou construindo com a minha imaginação e que me leva de volta para o Vale do Catimbau, diminuindo a saudades que eu já sinto deles. Assim, esta ponte que eu construo com as minhas memórias faz com que nós possamos nos encontrar sempre, mas de um jeito diferente. Não é legal? Eu realmente gostei desta história de construir pontes.

E depois de tanto aprendizado a respeito da Ponte Hercílio Luz, é claro que eu não poderia deixar de fazer um desenho desta construção incrível que é o cartão postal da minha cidade. A seguir, eu compartilho a minha obra de arte com você!



7

Este desenho faz parte de uma série de outros, criados para você colorir e aprender a respeito de lugares incríveis na Ilha da Magia. Quer saber mais? Acesse o link:

https://www.aninhapelobrasil.com.br/product-page/livro-de-colorir-aninha-floripa-f%C3%ADsico




O Mirante da Ponte Hercílio Luz fica na Rua Jornalista Assis Chateaubriand, número 70, no centro de Florianópolis e de lá é possível ter uma visão panorâmica da ponte. Outras curiosidades que envolvem a construção desta obra incrível estão no fato de ser projetada para ser utilizada também como ferrovia, o que nunca aconteceu; e no Canal do Estreito ter sido o local escolhido para a sua construção por ter a menor distância entre a ilha e o continente, o que impactaria nos custos da obra. O cartão-postal de Floripa completou 94 anos de existência, e foram 28 anos de espera até que, finalmente, pudesse ser utilizada para o tráfego de veículos e pedestres outra vez.




Até a próxima aventura

pelo nosso rico e fantástico Brasil!


Um abraço carinhoso da Aninha.

3 visualizações
FIQUE POR DENTRO DAS NOSSAS NOVIDADES
Logo Casa de Ana-29.png
Você também pode adquirir estes produtos na Casa de Ana

Endereço: Av. Pequeno Príncipe, 971. Campeche - Florianópolis/SC 

Telefone: (48) 3237-3406

Endereço: Rod. Baldicero Filomeno, 7661. Ribeirão da Ilha - Florianópolis/SC 

Telefone: (48) 3206-9667

© 2020 por Aninha pelo Brasil uma realização Casa de Ana

Logo Casa de Ana-02.png

CASA DE ANA LTDA - ME 

CNPJ: 09.328.551/0001-53

Av. Pequeno Príncipe, 971 - Campeche, Florianópolis/SC-Brasil

0
  • Facebook
  • Instagram